quinta-feira, 21 de março de 2013

MODELO DE ROTEIRO DE ABERTURA DE EVENTOS EM GERAL


Estava procurando um modelo bem simples para fazer um protocolo de um evento informal e foi difícil para achar. Então, estou postando aqui, sem regras rígidas, o modelo que usamos:



NOME DO EVENTO: CAFÉ DA MANHÃ MARÇO SEMPRE MULHER


DATA: 23/03/13


HORÁRIO: 8H30


LOCAL: Escola Municipal Padre Luiz Maria Guizhone






MESTRE DE CERIMÔNIA: SENHORAS E SENHORES, BOM DIA! A DEFENSORIA PÚBLICA E A RÁDIO ESTAÇÃO VG TEM A HONRA DE REALIZAR ESTE EVENTO PARA COMEMORAR O MÊS DA MULHER.






CONVIDAMOS PARA COMPOR A MESA DE HONRA: 














(Aguardar que todos os convocados assentem-se à mesa de honra.)






NESTE MOMENTO TEREMOS ou NÃO A EXECUÇÃO DO HINO NACIONAL BRASILEIRO POR TRATAR-SE DE UM EVENTO (IN) FORMAL. 






MC: DESTACAMOS A PRESENÇA DAS SEGUINTES AUTORIDADES: __________________________________________________________________________________________________.






Aqui é o momento em que explica o que é o evento, qual o seu objetivo e lê o histórico, edição, etc. MC: SENHORAS E SENHORES, DURANTE TODO O MÊS DE MARÇO A SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES DE MATO GROSSO E O CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA MULHER ESTARÃO UNIDOS A ÓRGÃOS DOS PODERES EXECUTIVO, LEGISLATIVO E JUDICIÁRIO EM UMA GRANDE AÇÃO PELAS POLÍTICAS PÚBLICAS MATO-GROSSENSES, É A CAMPANHA “MARÇO SEMPRE MULHER”. 


E HOJE PARA HOMENAGEAR TODAS AS MULHERES AQUI PRESENTES A DEFENSORIA PÚBLICA E A RÁDIO ESTAÇÃO VG ESTÃO OFERECENDO UM CAFÉ DA MANHÃ. 


CONVIDAMOS ALGUMAS AUTORIDADES PARA PARTICIPAR DESTE EVENTO E FALAR BREVEMENTE SOBRE SUA ÁREA DE ATUAÇÃO E COMO ELAS PODERÃO AJUDAR NO COMBATE A VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES.


QUEREMOS NESTE MOMENTO PASSAR A PALAVRA PARA A SUPERINTENDENTE ESTADUAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES, DRA. ANA EMÍLIA IPONEMA BRASIL SOTERO PARA QUE FALE DE FORMA CONCISA SOBRE O SEU TRABALHO.


NESTE MOMENTO PASSAREMOS A PALAVRA PARA ___________ 







Após a fala de todos fazer os agradecimentos aos parceiros e apoiadores:Rádio Estação VG, Maristela Modas, Orthus Studio Pilates e Oficina da Beleza.






O mestre de cerimônias encerra a solenidade, despedindo-se dos presentes. Ou, nos casos em que os trabalhos – mesa- redonda, palestras, etc. – forem começar logo após a solenidade de abertura, desfaz-se a mesa de honra e passa-se a palavra ao ministrante.)

quinta-feira, 14 de março de 2013

MARÇO SEMPRE MULHER

OAB de Várzea Grande convida advogados, advogadas, estagiários e acadêmicos para a programação do Março Sempre Mulher que teve inícioa com um café da manhã nesta quarta-feira (13 de março), na Sala da OAB do Fórum do Trabalho. 
 
Ainda na programação da subseção, no dia 20 de março, às 18h30, será realizada uma sessão solene pelo Dia Internacional da Mulher, na sede da OAB/VG. Serão homenageadas mulheres de destaque de Várzea Grande e em seguida haverá uma palestra com o tema “Os Desafios Contemporâneos para o empoderamento da Mulher”, com a professora Vera Lucia Bertolini. As inscrições podem ser feitas mediante a entrega de um brinquedo para a Brinquedoteca da Casa de Amparo de Várzea Grande.
 
Logo após a explanação será realizada a posse da Comissão do Direito da Mulher da OAB/VG  e encerramento com confraternização.

sexta-feira, 8 de março de 2013

QUEM AMA NÃO AGRIDE E NEM MATA!

JUACY DA SILVA
Hoje, 08 de Março, foi estabelecido pela ONU e por todos os países como o DIA INTERNACIONAL  DA MULHER, como forma de possibilitar conquistas e avanços na busca de igualdade de oportunidades, de tratamento, de acesso `a justiça, pelo fim da discriminação e, fundamentalmente  no combate a todas as formas de violência que as mulheres ainda estão sujeitas em todos os países.
A violência contra a mulher se apresenta de várias formas, desde a violência física, os espancamentos, assassinatos, a violência sexual, como estupros, sexo forçado, mutilação genital de meninas, prostituição. Existem outras formas de violência como a moral, com ofensas, a  psicológica ou mental, com ameaças,  bem como a violência no trabalho, a falta de acesso aos serviços básicos de saúde.
Apesar dos “avanços”  conquistados pelas mulheres em vários países e de que o terceiro objetivo do desenvolvimento do milênio, estabelecido pela ONU em 1990 com metas para 2015,  quando ficou definida a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres, bem como diversas metas a serem conquistadas, a realidade aponta que em vários países, inclusive no Brasil, ainda estamos longe de atingir uma situação em que a dignidade intrínseca das mulheres e meninas seja algo verdadeiro e concreto. Ou seja, ainda temos uma longa jornada pela frente e pouco a comemorar!
Nos últimos anos a ONU, a União Européia e diversas outras organizações públicas governamentais e não governamentais tem  colocado uma grande ênfase no combate a todas as formas de drisciminação contra a mulher  e a luta pela redução drástica e o fim de todas as formas de violência contra as mulheres e meninas.
Em 1993, portanto há 20 anos, a ONU aprovou em Assembléia Geral a Declaração sobre a eliminação da violência contra a mulher e definiu que 25 de novembro seria a data estabelecida para marcar este compromisso. Todos os países, inclusive o Brasil, se comprometeram a realizar esforços e destinar recursos para o combater efetivamnte a violência contra a mulher.
Todavia, a maioria dos países, incluindo o Brasil, tem dado uma grande ênfase nos discursos, propaganda e marketing  governamentais do que ações e recursos mais efetivos. Basta ver que o orçamento da União destina menos de 1% para os programas voltados ao combate da violênncia contra a mulher, razão pela qual o Brasil é o sétimo país onde mais mulheres  são assassinadas por ano, so perdendo na América do Sul  para a Colômbia, que vive em Guerra civil há décadas.
Entre os países do G20, o Brasil ocupa a nona posição onde as mulheres e meninas têm o pior tratamento. Isto decorre pelo fato de que existiam no Brasil em 2010  nada menos do que 250 mil mulheres e meninas na prostituição, ou seja, vendendo seus corpos e sendo abusadas sexualmente.
Segundo dados do Mapa da Violência, com destaque para a violência contra mulheres e meninas, divulgado em 2012, com dados relativos a 2010, entre 1980 e 2010  foram assassinadas 91.932 mulheres e meninas. As taxas de assassinatos de mulheres e meninas por 100 mil do mesmo grupo passou de 2,3 em 1980, para 3,6 em 1990; para 4,2  em 2000 e atingiu 4,4 em 2010. Essas taxas indicam que a violência contra as mulheres e meninas em nosso país, bem como todas as demais formas de violência, tem aumentado de forma assustadora, apesar do governo insistir  que a situação está melhorando.
Na reunião geral da Comissão da ONU sobre o status da mulher em 2012, (comissão esta criada em 1946), a representante do Brasil, Eleonora Oliveira, Ministra para políticas da mulher do Governo  Dilma,  falou sobre os “progressos” alcançados pelo Brasil no combate a pobreza, a fome, miséria, Lei Maria da  Penha, etc, mas nada disse sobre os dados e situação da violência contra as mulheres e meninas em nosso país. Simplesmente omitiu tais dados e a posição vergonhosa que nosso país ainda ostenta no contexto mundial, apesar de sermos a sétima maior economia do planeta.
Combater a discriminação, o tratamento de segunda ou terceira categoria e a violência contra as mulheres deve fazer parte de uma grande cruzada nacional, de verdade. Os grandes algozes das mulheres e meninas são pessoas que convivem sob o mesmo teto ou  tem algum vínculo com as vítimas como conjuges, ex-conjuges, namorados, ex-namorados,  filhos e parentes.
Dai, o título deste artigo: Quem ama não agride e nem mata!  Para que a situação mude um grande esforço tem que ser feito tanto por parte do Governo quanto da sociedade, com ações concretas e não apenas com discursos e propaganda!
JUACY DA SILVA, professor universitário, UFMT, mestre em sociologia,colaborador/articulista de A Gazeta há mais de 18 anos. Twitter@profjuacy Email professorjuacy.yahoo.com.br Blog www.professorjuacy.blogspot.com 

domingo, 3 de março de 2013

Programação do Dia Internacional da Mulher em Várzea Grande






Programação do Encontro sobre Direitos da Mulher

Dia 05 de março de 2013

Local: Instituto Biodata de Educação - Av Eurico Gaspar Dutra, 1 Quadra 41 Ipase ( próximo à PREVIVAG)  - Várzea Grande - MT

08h30 - Abertura

08h45 - Posse das Conselheiras Municipais dos Direitos da Mulher

09h - Adesão a Campanha do Laço Branco - Homens pelo fim da violência contra mulher

Expositora: Rosana dos Santos Leite - Defensora Pública e Presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher

09h45` - Políticas Públicas para Mulher

Expositoras: Ana Emília Sotero - Superintendente de Políticas Públicas para Mulher
                   Tânia Regina de Matos - Defensora Pública/Várzea Grande -MT

11h30`- Debate

11h15`- Encerramento